O País – A verdade como notícia

Mia Couto estranha “boom” de especialistas que nem conhecem Cabo Delgado

Mia Couto disse, hoje, estranhar o surgimento repentino de vários especialistas no mundo sobre o terrorismo em Moçambique e que nem conhecem Cabo Delgado. O escritor defendeu ainda que agora não é altura de encontrar culpados pelo drama, porque isso gera aproveitamentos que dividem a nação.

A província de Cabo Delgado tem vindo a ser notícia em todo o mundo pelas piores razões. Mia Couto não deixa de estranhar, que subitamente, estejam a surgir especialistas que pouco conhecem Moçambique, mas ousam explicar o fenómeno terrorismo em Cabo Delgado. “Eu estranho que haja tantos especialistas, no mundo, que estão a mais de 20 mil quilómetros de distância e vem nos explicar o que se está a passar em Cabo Delgado. É estranho que surjam tantos especialistas sobre os nossos assuntos internos”, surpreendeu-se para depois avançar que é séptico em relação à intervenção militar estrangeira em Moçambique, o que na sua visão pode colocar em causa a soberania do país.

“Quanto a esse assunto o país já respondeu com uma só voz. Nenhum país encontrou numa intervenção estrangeira uma solução miraculosa. Não será por trazermos tropas estrangeiras, que de repente, a situação vai se alterar profundamente. É preciso que nos inspiremos no que foi feito em Palma. O nosso exército foi capaz de dar resposta àquela situação. Esse é o caminho…obviamente com apoio, mas uma assistência como já foi dito pelo Presidente da República, da qual não abdicamos da nossa soberania. Temos que ser nós a dizer aos outros onde queremos que nos ajudem”, defendeu.

Quanto ao envio de cerca de 3 mil homens proposto pela equipa técnica criada Troika da SADC, assunto que ainda vai a debate, Couto foi mais receptivo, mas deixou um conselho. “Acho que a intervenção militar não deve ser vista como algo técnico. É evidente que os países da região conhecem melhor a sua própria geografia, a geografia humana, tem capacidade de criar maior entrosamento com as comunidades, mas há que se perceber que este é um assunto humano e não meramente técnico”, advertiu.

Mia Couto disse ainda que este não é momento de procurar culpados, mas sim soluções. “Não é altura de fazer essa análise, porque nesse processo há aproveitamentos que são feitos que nos desunem. Essa é uma análise para mais tarde, quando já tivermos vencido esse demónio que entrou dentro da nossa casa. Aí sim, podemos procurar o que falhou”, terminou o escritor que falava à margem do lançamento da VII edição do Concurso Jovem Criativo 2021.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos