O País – A verdade como notícia

O camaleão de Samsanga

…vi Salatiel Matchazi cantando e dançando “vadhla voxe” de Jeremias Ngoenha e engoli pela goela adentro todo encantamento do mundo que ainda degustava na boca. Aquele saltitar e vigor para marchar pela “causa comum era duma incredulidade espantosa não pela vontade com que o fazia porque a hipocrisia caia-lhe tão bem quanto a túnica que trazia para cobrir o rechonchudo abdômen. Nunca a frase “um homem sem barriga é um homem sem história” fizera tanto sentido. De facto, Salatiel Matchazi era um homem de histórias com panos para manga.

Oito horas e quarenta e três minutos marcava o relógio fixado na parede da sua sala bem ao lado do quadro “Tatuagens D’Alma” de Naguib, quando a secretária, de entre outros expedientes, fez-lhe chegar um pedido de autorização para a realização de uma marcha em manifestação contra o alto custo de vida e a ineficaz distribuição de renda na vila municipal de Samsanga. «Belíssima iniciativa!» anuiu…para o espanto da secretária que só deu entrada a tal pedido por mera cortesia profissional porque para ela «não autorizo» era o único deferimento possível de ter do mais respeitado e competente edil jamais visto naquelas latitudes, que Salatiel Matchazi dizia ser.

Eu que não sou de marchas, gravito na minha própria bolha e não ligo a mínima para lamúrias, fitei-me no soslaio de uma rua para vender água aos manifestantes como quem vende lenços no velório ou armas na guerra. Pelas palavras possíveis de ler nos banners dos manifestantes evidenciava-se «pão para toda gente»; «vocês são porque nós somos por isso dêem-nos pão»; «corrupção zero ou corruptos fora»; «chega! Assim não dá mais». Ler estas palavras ao som de «vadlha voxe» e «lafamba bicha», de Jeremias Ngoenha, que se fazia ecoar em corro, avivava uma réstia de esperança para repor a transparência e justiça governativas que Salatiel Matchazi e sua conclave haviam mandado às favas em prol dos seus apetites e credos.

Nos semblantes dos integrantes da manifestação rodopiava o suor com que regavam a sua penúria no dia-a-dia laboral e se promiscuia com as lágrimas drenadas por um coração já em quebranto porque a vida em Samsanga sabia mesmo a fel. Cá entre os meus botões ressignifiquei as palavras dos manifestantes e senti a legitimidade da dor e justeza daquela busca por um interlocutor no edifício do conselho autárquico de Samsanga. Eis, então, que a incredulidade ganha forma na figura de Salatiel Matchazi marchando com os populares e, pelo punho direito, segurando a extremidade de um banner em que era possível ler «cumpram as vossas promessas».

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos