O País – A verdade como notícia

Moradores de Inhagoia “B” reclamam de exclusão no pagamento de subsídios de COVID-19

Moradores do bairro Inhagoia “B”, na cidade de Maputo, reclamam da exclusão no pagamento de subsídios para as vítimas da COVID-19, processo que iniciou no ano passado para a mitigação do impacto da pandemia do novo Coronavírus

São idosos, mulheres grávidas, outras com crianças no colo e alguns homens desempregados e que se dedicam à venda informal ou biscatos para sobreviverem, que, na manhã desta terça-feira, contaram ao “O País” que, desde o início da pandemia, nunca foram contemplados para o subsídio.

Isabel Fabião, viúva que cuida do seu neto órfão de pai e mãe, conta que, desde a eclosão da pandemia, a sua situação na sua casa só piorou e, quando pensava que fosse ter ajuda, se enganou, pois é algo que aguarda desde o ano passado.

“Eu sou idosa e não me tenho alimentado devidamente. Eu fiquei aliviada quando ouvi que havia o subsídio para vítimas da COVID-19, mas nunca recebi o tal subsídio”, reclamou a idosa.

Na verdade, o problema, aqui, é originado pelo facto de outros bairros já se terem beneficiado do referido subsídio, tal como relatou Elsa, que disse que o bairro vizinho Inhagoia “A” já recebeu o subsídio prometido (4.500 meticais e um telemóvel), mas eles nunca o viram, nem abordados sobre o assunto.

“Nós só queremos saber, será que não somos deste país, também somos pobres, não temos condições; por que somos excluídos? Nunca ninguém diz nada, mas nós temos direito”.

Segundo os moradores, a falta de informação é que agrava a situação, uma vez que apenas ouvem dos moradores de outros bairros a questão do subsídio, mas nunca foram informados oficialmente e, por isso, pedem uma explicação sobre a exclusão.

Em reação, a secretária do bairro, Zaida Nhanengue, disse que nunca teve informação sobre o subsídio para os moradores de Inhagoia “B”, o que pode ter acontecido “é agitação por parte de algumas pessoas que querem sair beneficiadas”, mas, como estrutura, já procuraram perceber o motivo da exclusão, tendo tido, como resposta, no distrito Kamubukwana, a que pertencem, a informação de que apenas foram seleccionados dois bairros e o deles não foi contemplado.

“Enquanto não tivermos informação não podemos agitar-nos”, apelou a secretária do bairro.

Numa nota, enviada à redacção do “O País”, o INAS esclareceu que, no distrito municipal Kamubukwana, apenas os bairros Luís Cabral e Inhagoia “A” são os beneficiários do subsídio para as pessoas vulneráveis social e economicamente.

A agitação ocorreu, igualmente, no bairro Mavalane B, ainda na Cidade de Maputo onde os moradores faziam as mesmas queixas.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos