O País – A verdade como notícia

Adeus, África

A União Desportiva do Songo foi afastada, esta quarta-feira, da Taça das Confederações após empatar a uma bola com o Napsa da Zâmbia, em jogo da segunda mão da primeira eliminatória da prova. Os zambianos beneficiaram-se do golo marcado fora, depois do empate caseiro sem abertura de contagem.

Mais do mesmo. Terminou, sem brilho nem glória, a aventura de uma equipa moçambicana nas competições de clubes da CAF. A União Desportiva do Songo foi afastada, precocemente, da Taça Nelson Mandela. Com um atraso de 15 minutos, devido ao facto dos resultados dos testes de despiste da Covid-19 somente terem sido conhecidos pouco antes da hora marcada para o duelo, o jogo contou com a presença de mil espectadores nas bancadas do Caldeirão do Chiveve.

Obrigados a vencer no Caldeirão, os hidroelétricos até foram ousados nos instantes inicias, com Cuale a centrar para Elias que, num golpe de cabeça, fez o mais difícil. Perdia-se uma uma soberana oportunidade para golo.

Elias perdoou, Lau King mostrou como se faz no último reduto do adversário. De forma espectacular, o avançado dos Mambas concluiu da melhor forma a uma assistência de Bhéu.

E, dois minutos depois, Lau King teve tudo para elevar a contagem no Caldeirão do Chiveve e deixar a equipa mais tranquila, mas errou no alvo.

O magro resultado de um a zero não era, nem tao pouco, tranquilizador para a equipa moçambicana. De tal forma que continuou a pressionar o seu adversário, mas pecava no detalhe.

Os zambianos acreditaram que podiam virar a eliminatória. Emmanuel agradeceu aproveitou o mau posicionamento da defensiva do Songo para fazer o empate. Balde de água fria!

Em vantagem na eliminatória, os visitantes pautaram depois pelo anti-jogo. Não havia muito por fazer.

Caia, esta forma, por terra o sonho africano. A União Desportiva do Songo acabou pagando caro por falta de ritmo competitivo, à semelhança do que aconteceu com o Costa do Sol. O burocratismo para o arranque do Moçambola voltou a ser determinante para o insucesso das equipas moçambicanas nas Afrotaças. Nesta partida, Nacir Armando fez alinhar os seguintes jogadores: Valério, Infren, Amorim, Sidique, Bhéu, Daúdo, Amadou, Nyerenda, Kwali ( Jimmy), Lau King (Tico Dias) e Elias (Belito).

FALHOU FEITO ATINGIDO EM 2018

Corria o ano de 2018, quando a União Desportiva do Songo conseguiu o apuramento inédito do clube para a fase de grupos da Taça das Confederações (CAF), também conhecida como Taça Nelson Mandela. Inserido no grupo “B”, juntamente com o RS Berkane do Marrocos, Al Masry do Egipto e Al Hilal-Omdurman do Sudão do Sul, o representante moçambicano teve um saldo de três empates e igual número de derrotas.

A UD Songo iniciou a sua campanha, nesta prova, a 6 de Maio de 2018, com uma deslocação ao Egipto onde viria a perder por dois a zero. Os golos dos egípcios foram apontados por Ahmed Goma aos 36 e 52 minutos.

Dez dias depois, ou seja, a 16 de Maio, os “hidroelétricos” voltaram a perder, desta feira no “Caldeirão do Chiveve” diante do RS Berkane do Marrocos pelo mesmo resultado de 2-0. Um “bis” de Ayoub Kaabi, eleito o homem do jogo, valeu os três pontos para os marroquinos.

O primeiro ponto conquistado pelo campeão nacional, na fase de grupos da Taça CAF, foi a 18 de Julho quando empatou com o Al-Hilal Omdurman a duas bolas.

Mohamed Bashir, aos dois minutos, abriu o marcador para os donos da casa. Depois, aos 36 minutos, o tanzanianos Thomas Ulimwengu elevou a contagem para dois a zero. A dois minutos do intervalo, o malawiano Frank Banda reduziu a desvantagem para dois a um, resultado com que se foi ao intervalo.

A três minutos do final da partida, Hélder Pelembe empatou a partida. A União Desportiva do Songo voltou a entrar em cena nesta competição a 29 de Julho, quando empatou a uma bola na Beira com os sudaneses.

O conjunto de Nacir Armando chegou ao golo madrugador aos cinco minutos por intermédio do avançado Mário Sinamunda. Mas, no minuto 53, Sharafeldin Ali empatou para os visitantes.

A 8 de Agosto, mais um empate caseiro a uma bola. Diante do Al-Masry do Egipto, a União Desportiva do Songo até esteve a perder com os egípcios que se adiantaram no marcador no minuto 77 com tento apontado por Mohamed Grengo.

No fecho da sua participação na fase de grupos da Taça CAF, a União Desportiva do Songo perdeu com o RS Berkane do Marrocos por 2-1. Alain Traoré, aos cinco minutos, e Mohammed Farehane, aos 70, marcaram para os marroquinos. Jimmy anotou o golo da equipa moçambicana que terminaria a fase de grupos na terceira posição com três pontos.

Em 2019, a União Desportiva do Songo caiu precocemente aos pés do Bidvest Wits da África do Sul na eliminatória de acesso à fase de grupos da Taça CAF.

Os “hidroelétricos” foram afastados com o agregado de 8-1 no conjunto das duas mãos. No primeiro embate, na terra do rand, a União Desportiva do Songo foi humilhada pelo conjunto então treinado por Gavin Hunt e no qual evoluía Dominguez, capitão dos Mambas, perdendo por concludentes 6-0.

Estava, praticamente, decidida o rumo desta eliminatória. Uma semana depois, no Estádio Nacional do Zimpeto, o máximo que a União Desportiva do Songo conseguiu fazer foi marcar um golo. A turma de Nacir Armando viria a perder por 2-1.

Em 2017, igualmente na Taça CAF, a União Desportiva do Songo foi eliminada por um adversário sul-africano: Platinum Star. Os “hidroelétricos” começaram por perder, no embate da primeira mão, por uma bola sem resposta com o único tento dos sul-africanos a ser apontado por Mabena aos 80 minutos. No Estádio Nacional, mesmo com o apoio do público, a equipa treinada na altura por Chiquinho Conde voltou a perder por um a zero.

 

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos