O País – A verdade como notícia

Satar Salvado comanda “alvi-negros” por três anos

Satar Salvado foi, oficialmente, apresentado como novo treinador do Desportivo Maputo para substituir o falecido Rogério Mariannii. Satar Salvado não promete títulos, mas diz que vai trabalhar para resgatar a mística alvi-negra e garantir a manutenção da equipa no Moçambola

É jovem, mas com uma experiência invejável. Já foi campeão nacional por diversas vezes nas camadas de formação, nomeadamente, na Liga Desportiva de Maputo e no Costa do Sol e conquistou a primeira edição da Taça BNI, para além de ter terminado em terceiro lugar do Moçambola, em 2016, quando assumiu o comando técnico da Liga Desportiva de Maputo, em parceria com Aly Hassane.

Depois de muito ganhar experiência e confiança, decidiu, sem hesitar, abraçar um projecto ainda mais desafiante – liderar o Desportivo Maputo nos próximos três anos.

Foi a consumação de um namoro antigo que até foi proposto pelo falecido Rogério Mariannii, mas para liderar a formação. Com a vacatura no comando dos “alvi-negros”, a direcção elevou o projecto de formação para a equipa sénior e Satar Salvado foi chamado para dirigir a equipa principal do Desportivo Maputo.

O novo treinador tem a noção da dimensão do Desportivo, das expectativas e dos objectivos que persegue, até porque “não estou aqui por acaso, mas porque o presidente acha que tenho competência para estar aqui”. Ademais, “sei, desde a formação, a grandeza do grupo e sei que muitos gostariam de estar aqui, mas, neste momento, sou o escolhido e sou sortudo”, revela Satar Salvado.

 

“NÃO PROMETO TÍTULOS, MAS GARANTO MANUTENÇÃO”

O novo timoneiro dos “alvi-negros” revela ainda que não está no Desportivo Maputo para dar títulos, até porque reconhece as limitações da colectividade, mas tem objectivos específicos traçados. “A direcção não pediu nenhum título, apenas a manutenção e eu vou trabalhar para que isso seja possível. Mas também sou um treinador ambicioso e quero que o Desportivo ocupe os melhores lugares na tabela classificativa”, garante.

No entanto, não são apena os objectivos da equipa principal que acompanham Satar Salvado. “Temos o objectivo de reestruturar o Desportivo no futebol desde a formação. Vamos trabalhar na formação e fazer um scouting internamente, mas também ao nível do país, porque precisamos de ter novos Dominguês, Zainadine, Carlitos e outros que deram o seu melhor no passado por esta equipa”, sentencia Salvado.

 

ADEPTOS NÃO DEVEM ATRAPALHAR TRABALHO DE SALVADO

Questionado sobre o grau de exigência dos adeptos do Desportivo Maputo, a chamada “raça ‘alvi-negra’”, Satar Salvado diz que não trabalha em função destes, até porque, se assim fosse, “não estaria a seguir a carreira de treinador”.

“Agora sigo os objectivos do Desportivo e vamos trabalhar para dar o melhor para os adeptos da equipa”, promete Salvado que assume que gosta de desafios, por isso “aceitei o convite do Desportivo. Tenho a noção da massa associativa e daquilo que é a exigência deles, mas sem descurar dos nossos objectivos”.

Para além de reconhecer a dimensão do Desportivo e da sua “raça ‘alvi-negra’”, Salvado assume a motivação para suplementar as adversidades e pede apoio os adeptos para que os objectivos sejam alcançados.

 

SATAR SALVADO FOI A MELHOR APOSTA

A escolha em Satar Salvado é do agrado da direcção do Desportivo que vê qualidades e perfil que se enquadram nos seus objectivos. De acordo com o respectivo presidente da colectividade, Paulo Ratilal, “julgamos que este tem o perfil que desejamos e que nos vai levar ao caminho que gostaríamos de seguir, para, daqui a alguns anos, termos uma equipa sénior muito bem formada e tenha raça e orgulho de representar o Desportivo. Por isso, assinamos com Salvado e desejamos boas vindas ao clube. Sabemos que é um grande desafio, mas também sabemos que os grandes homens assumem grandes desafios”, disse Ratilal.

O presidente dos “alvi-negros” garante que a crise financeira no clube está perto do fim, pese embora ainda haja muito trabalho para que o Desportivo comece a respirar alívio.

“O que nós cabe é lutar para inverter a situação, porque as infraestruturas do clube não gerem receitas por causa da pandemia e os parceiros tinham parado de patrocinar, também por causa da pandemia. O que estamos a fazer é trabalhar com patrocinadores para tentar resgatar a nossa situação financeira e já estamos minimamente preparados para pagar salário este mês e vamos dar salário aos jogadores entre hoje (terça-feira) e amanhã (quarta-feira)”, prometeu Paulo Ratilal.

Mesmo depois deste pagamento, ainda terá que se trabalhar muito na questão financeira do clube, um optimismo que vem da possibilidade de “voltar a resgatar os patrocinadores”, para que, em breve, “possamos deixar de falar e reunirmo-nos com jogadores e resolver os problemas deles e pagar todos os salários em atraso”, concluiu o presidente do Desportivo Maputo, Paulo Ratilal.

O Desportivo retoma o Moçambola 2021 este domingo, a receber o Ferroviário de Nacala, em jogo a contar para a quinta jornada e com transmissão na Stv Notícias.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos