O País – A verdade como notícia

“Locomotiva” carbura a caminho da BAL do Kigali

O Ferroviário de Maputo partiu, esta segunda-feira, a Kigali, no Ruanda, onde vai disputar a primeira edição da Liga Africana de Basquetebol (BAL, na sigla em inglês), de 16 a 29 de Maio corrente. Milagre Macome leva consigo 13 jogadores, dos quais quatro estrangeiros.

É a primeira vez que será organizada pela FIBA-Africa em parceria com a NBA, a maior competição de basquetebol do mundo, que decorre nos Estados Unidos da América, e Moçambique estará representada pelo Ferroviário de Maputo, campeão nacional.

Depois de dois adiamentos devido à COVID-19, finalmente a prova vai arrancar e as equipas são todas esperadas esta terça-feira para se juntarem a uma bolha de combate à pandemia, que começa com um isolamento de seis dias, antes dos treinos e da competição, que deverá arrancar a 16 de Maio.

Os “locomotivas” da capital do país partem para esta prova sem rodagem, tendo em conta que nenhuma prova foi disputada no país nos últimos tempos. Ou seja, a última competição aconteceu em Março do ano passado, antes da sua suspensão, quando a pandemia da COVID-19 começou a assolar o país.

Este ano, com a autorização de retoma das competições, a Associação de Basquetebol da Cidade de Maputo organizou o torneio Nutrição, mas apenas três jornadas foram disputadas. Vale isto dizer que, em um ano, o Ferroviário de Maputo leva para a Basketball African League apenas três jogos de controlo.

Na hora da partida, o treinador dos “locomotivas” de Maputo, Milagre Macome, não prometeu milagres nesta participação, mas garante que a equipa está moralizada e motivada para procurar alcançar bons resultados na Região Nilo da BAL, designação do grupo no qual está integrado o representante moçambicano.

“Como sabem, não tivemos nenhuma competição que nos desse a rodagem de que precisávamos para esta competição, mas temos que estar presentes e temos que procurar representar condignamente o país e o clube”, referiu Macome para quem o sucesso desta participação deve ser repartido por todos os moçambicanos, no sentido de que todos devem apoiar a equipa, porque “não vamos representar somente o Ferroviário de Maputo, mas o país no seu todo”.

MACOME LEVA 13 JOGADORES À PROCURA DE MILAGRE

Para esta empreitada da Liga Africana de Basquetebol, o Ferroviário de Maputo leva consigo 13 jogadores a Kigali, encabeçados por Custódio Muchate, que será o capitão. Os restantes jogadores moçambicanos são os extremos Manuel Uamusse, Stélio Rodrigues, Yuran Biosse, Hugo Martins e o extremo/poste Milton Caifaz. Outro poste é Inélcio Chire, para além dos bases Baggio Chimonzo e Muhambi Maculane. Do estrangeiro, vêm reforçar o Ferroviário de Maputo os extremos Álvaro Manso e D’Marcus Holland, o poste Adjehi Baru e o base Myck Kabongo, sendo que estes três últimos só se juntam aos “locomotivas” em Kigali, esta terça-feira.

Milagre Macome diz confiar nos jogadores que leva para esta competição, porque são os que estão em melhores condições e lamenta o facto de não ter tido a oportunidade de ver de perto os estrangeiros, que só se juntam ao grupo em Kigali.

Entretanto, Macome diz estar confiante que vão saber honrar a camisola do Ferroviário de Maputo e se mostrarem aos amantes do basquetebol mundial.

 

FERROVIÁRIO DE MAPUTO, KIGALI, LIGA AFRICANA DE BASQUETEBOL

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos