O País – A verdade como notícia

Mais de 19 mil reclusos serão imunizados contra o novo Coronavírus

São, ao todo, 19.727 reclusos que vão receber a vacina contra o novo Coronavírus nesta segunda fase da campanha de vacinação que arrancou, ontem, em todo o país. Além da população reclusa, serão imunizados funcionários dos estabelecimentos penitenciários.

Vestidos de roupas cor-de-laranja, sentados nos bancos e braços entre as pernas, os reclusos do Estabelecimento Penitenciário Provincial de Maputo aguardam pela vacina contra o novo Coronavírus.

São adultos e jovens condenados por vários crimes. Estão, agora, privados da liberdade e de qualquer informação sobre o que acontece fora da cadeia.

Dentre eles, está Sebastião Mutete, 52 anos de idade, condenado a 12 anos de prisão por violação sexual a uma menor de 13 anos. Sobre o Coronavírus, só sabem o que ouvem dizer.

“Coronavírus é uma doença que mata se a pessoa não tiver higiene”, disse, timidamente, Sebastião Mutete que cumpre a pena no Estabelecimento Penitenciário Provincial de Maputo.

A pouca informação que tem sobre Coronavírus terá tido, certamente, quando chegou a vez de se limitar o número de visitantes nas cadeias nacionais. “Só recebo duas vezes por mês”, sublinhou o condenado por violação sexual a uma menor.

Pelo mesmo crime (de violação sexual a uma menor) foi condenado Francisco Gomes e cumpre a pena de 12 meses. O jovem de 30 anos de idade violou uma menor de 11 anos, o crime e a pena já lhe são um fardo e não quer que a sua situação piore com a COVID-19. “Dizem que temos de lavar as mãos com frequência, lavarmos a roupa e permanecermos limpos, porque existe Coronavírus”, indicou Francisco Gomes, preso no Estabelecimento Penitenciário.

Essas são as medidas de prevenção da COVID-19, adiciona-se, agora, a vacina contra o novo Coronavírus.

A Ministra da Justiça, Assuntos Constitucionais e Religiosos orientou o lançamento da segunda campanha de vacinação contra a COVID-19, no Estabelecimento Penitenciário da Província de Maputo.

Numa altura em que o número de reclusos é de 19. 727 para uma capacidade de 8.498, a ministra da Justiça reconhece que o sistema penitenciário está pressionado, daí que a população reclusa está muito exposta ao novo Coronavírus.

Só para se ter uma ideia, no ano passado, de acoro com a ministra da Justiça, Assuntos Constitucionais e Religiosos, foram diagnosticados, nas cadeias nacionais, 32 casos positivos do novo Coronavírus dos quais 24 reclusos do Estabelecimento Penitenciário da Província de Maputo, quatro na província de Tete e outros quatro são funcionários do Serviço Nacional Penitenciário.

Já para o primeiro trimestre de 2021, Helena Kida revelou que, cumulativamente, foram notificados, no Sistema Nacional Penitenciário, 124 casos positivos para a COVID-19 dos quais 60 são reclusos e um perdeu a vida no Estabelecimento Penitenciário Preventivo da cidade de Maputo.

É por estas e outras razões que a titular da pasta da Justiça, Assuntos Constitucionais e Religiosos considera oportuna a vacinação dos 19.727 reclusos em todo o país. Contudo, a governante sublinhou que “a imunização não deve significar a negligência de outras medidas de prevenção da COVID-19, mas visa reduzir o número de pessoas que possam desenvolver doença grave, internamento hospitalar e mortes pela doença”

Além da população reclusa, a vacinação vai abranger funcionários dos estabelecimentos penitenciários.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos