O País – A verdade como notícia

Desporto e Cultura…nos últimos parágrafos

Diz-se repetidamente que Moçambique não é, e nem quer ser uma ilha, num mundo em mutação e adaptação a novos paradigmas. Mas das intenções à prática, a distância é visível e até mensurável. É que, ao contrário da realidade e tendência crescente em todo o planeta, entre nós, o desporto e a cultura, nas intenções e no pulsar da vida do país, ocupam quase sempre os últimos parágrafos.

A prova disso está nos informes do PR, nos discursos ministeriais e até nos noticiários em que estes sectores só entram nos últimos parágrafos e, vezes sem conta, sem aprofundamento nem substância!

Dizia com grande dose de razão, o escritor Luís Bernardo Honwana, que antes dos grandes eventos políticos, tudo se inicia com a exibição da Cultura, e depois… entram em cena os assuntos sérios! O desporto vive paredes-meias com esta realidade de subalternização.

Dançar e correr…só de barriga cheia?

Diz-se que estas actividades só são exequíveis na plenitude, quando as pessoas estão de barriga cheia, com educação e gozando de saúde. Daí que, de forma simplista se apontem como prioridade absoluta, a alimentação, a saúde e a educação.

Porém, analisar o assunto apenas a partir destes parâmetros, é muito redutor, sobretudo devido à interdependência cada vez maior e mais actuante, nas sociedades modernas.

Importa aprofundar conceitos e olhar para exemplos como os de Cuba, com os mais altos padrões desportivos e culturais, em “competição” mas sem conflitos, com os outros sectores tidos como nevrálgicos. “Uma mão lava a outra, e as duas lavam a cara”!

No nosso caso, vejamos: como estaria a situação da saúde, se uma parte da verba destinada a medicamentos fosse para a prática regular do desporto nas escolas, forma segura, barata e eficaz de prevenir doenças, com enfoque para a obesidade e diabetes? E o aproveitamento escolar – está provado – seguramente que atingiria outros patamares, se os intervalos das aulas fossem alegremente preenchidos por movimentos que o desporto e a cultura proporcionam. Isso sem falar no “chega-pra-lá” às drogas e outros males. Muito desporto gera saúde, amizade e aumenta os níveis de produção.

Quanto aos benefícios financeiros directos para matar a fome, que o digam os países que regularmente organizam eventos de grande dimensão, quanto à entrada de divisas, através do turismo e transferência de talentos!

Não deixa de causar inveja a quem tanto sentiu, sente e pugna por um desporto internamente em claro retrocesso face aos “rankings” internacionais, em quantidade e qualidade, quando dos países desenvolvidos nos “bombardeiam” com estas duas áreas monopolizando atenções, prova de que são, verdadeiramente, “assuntos de Estado”!

 

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos